Fuga

Dei um tiro em meu próprio peito,
Um tiro cheio de orgulho e vergonha,
Vergonha de ser o que sou,
Fujo junto ao silêncio.

Este é o medo fixado,
Entranhado e concebido,
Vergonha de tantas dúvidas,
Fujo junto ao meu tormento.

Dei um tiro de orgulho em meu peito,
Com bala corrosiva de melancolia,
Vergonha de ser quem eu sou,
Tentando fugir de mim mesma,
Fugir do meu falatório interno,
Fugir da dor que crio,
Vergonha por não entender a própria dor,
Vergonha por fugir a cada surto
De mim mesma
Atropelando as pessoas no caminho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s